Invasão em Brasília completa um mês; prejuízo chegou a R$ 21 milhões e 1,4 mil foram presos

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

PUBLICIDADE

Falha na operação das forças de segurança possibilitou vandalismo na Praça dos Três Poderes; episódio mudou cenário político do DF

Os atos de vandalismo na Praça dos Três Poderes, em Brasília, completam um mês nesta quarta-feira (8). No último 8 de janeiro, Palácio do Planalto, Congresso Nacional e Supremo Tribunal Federal (STF) foram invadidos e depredados por vândalos, que quebraram vidraças, destruíram e roubaram obras de arte e danificaram cômodos e móveis dos três prédios.

O episódio deixou um prejuízo de ao menos R$ 21 milhões ao poder público, segundo estimativas feitas pelos Três Poderes, e ocorreu por falha na operação das forças de segurança pública do Distrito Federal, de acordo com a equipe de intervenção federal que atuou na capital federal depois do ocorrido.

Os erros nas estratégias para tentar conter os vândalos levantaram suspeitas sobre uma eventual omissão do Governo do DF em relação aos ataques e fizeram com que o governador Ibaneis Rocha (MDB) fosse afastado do cargo por 90 dias, bem como motivaram a demissão do secretário de Segurança Pública Anderson Torres, que está preso pela suspeita de ter facilitado a ação dos extremistas.

Nesses 31 dias que se passaram desde os ataques, cerca de 1,4 mil pessoas foram presas por envolvimento nos atos de vandalismo. A Polícia Federal já deflagrou cinco fases de uma operação com o objetivo de identificar quem participou, financiou, omitiu-se ou fomentou os fatos ocorridos em 8 de janeiro.

Além disso, a Advocacia-Geral da União (AGU) pediu à Justiça o bloqueio de R$ 20,7 milhões de bens de presos por depredar os prédios de Congresso, Planalto e STF. A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou 653 pessoas por associação criminosa e por incitar a animosidade entre as Forças Armadas e os Poderes da República.

Fonte: r7.com

Foto: UESLEI MARCELINO/REUTERS

Acesse Também