ONU: Queda nas emissões globais até 2030 será apenas de 2%

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
Foto: Fabrício Pereira/Pixabay

PUBLICIDADE

De acordo com um novo relatório da ONU, governos estão falhando na redução das emissões de gases de efeito estufa

Um novo relatório divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU) revela que os governos estão fazendo progressos insuficientes na redução das emissões de gases de efeito estufa, o que pode ter impactos negativos nas mudanças climáticas.

O relatório chega pouco antes da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28), que ocorrerá em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, ainda neste mês.

Segundo o documento, os líderes mundiais se reunirão na COP28 para pressionar por mais ações climáticas, incluindo a possível eliminação gradual dos combustíveis fósseis antes de 2050. Sultan al-Jaber, chefe da empresa estatal de petróleo dos Emirados Árabes Unidos e presidente das discussões, ressaltou a importância deste encontro como um ponto de virada histórico nesta década crítica.

De acordo com as atuais Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs), que são os planos climáticos nacionais, espera-se que as emissões aumentem 9% acima dos níveis de 2010 até o final desta década, mesmo que as NDCs sejam totalmente implementadas. O relatório também indica que as emissões de gases de efeito estufa devem cair apenas 2% abaixo dos níveis de 2019 até 2030, o que significa que o mundo atingirá o pico de emissões nesta década.

No entanto, esses números ainda estão muito aquém da redução de 43% em relação aos níveis de 2019, necessária para evitar ultrapassar o limite de aquecimento global de 1,5ºC estabelecido no Acordo de Paris, segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima da ONU.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, destacou que a ambição global estagnou no ano passado e os planos climáticos nacionais estão desalinhados com as recomendações científicas. O abismo entre a necessidade e a ação está cada vez mais preocupante.

O Acordo de Paris, assinado em 2015, estabelece que os países devem apresentar e atualizar suas NDCs a cada cinco anos. O relatório da ONU analisou quase 200 envios, incluindo 20 novas ou atualizadas NDCs submetidas até setembro de 2023.

Fonte: O Antagonista

Acesse Também